Curso: A poesia e o cinema

Date: 6 de julho de 2018
Time: 19:00  to  21:00

Dois encontros: 06 e 13 de julho
Quando? Sextas Feiras, às 19h
Investimento total: R$ 150,00 | ou 3x R$ 50,00
Onde? Na Tapera Taperá (Av. São Luís, 187, 2º andar, loja 29)

CLIQUE AQUI PARA SE INSCREVER

Para mais informações: cursos@taperatapera.com.br
Público-alvo: livre

Objetivos:

* Apresentar breve relato da história do cinema e suas relações com a literatura, já nas primeiras décadas do século XX (por exemplo, a “linguagem cinematográfica” do romance Memórias sentimentais de João Miramar, de Oswald de Andrade).

* Apresentar as ideias de Walter Benjamin sobre o cinema, expostas no ensaio A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica.

*Apresentar trechos de alguns filmes da década de 1920, como A greve e Outubro, de Sergei Eisenstein, Cine-Olho, de Dziga-Vertov e O cão andaluz, de Luís Buñuel, para comentar os conceitos de montagem, close, travelling, planos etc.

* Comentar a relação entre ideograma, montagem cinematográfica e poesia, a partir de textos dos cineastas Sergei Eisenstein, Jean-Luc Godard e Peter Greenaway.

* Comentar a relação de Maiakovski com o cinema, a partir de artigos do poeta russo.

* Ler e discutir em grupo poemas de autores brasileiros contemporâneos que dialogam com as técnicas narrativas do cinema, como Ademir Assunção, Frederico Barbosa, Ricardo Corona e Rodrigo Garcia Lopes.

APRESENTAÇÃO:

As técnicas narrativas do cinema, arte da era industrial, despertaram a atenção de poetas e romancistas já nas primeiras décadas do século XX. O diálogo entre a linguagem cinematográfica e obras poéticas ou ficcionais surgiu com as vanguardas históricas das décadas de 1910 e 1920, quando autores como o brasileiro Oswald de Andrade e o soviético Vladimir Maiakovski utilizaram, em seus poemas e narrativas, recursos similares às técnicas de close, corte e montagem do cinema: recorte sintático dos textos, aglutinação de substantivos e uso da metonímia, para citarmos poucos exemplos. As relações criativas entre o cinema – que concilia imagem, som, palavra e movimento – e a literatura foram estabelecidas não apenas pelos escritores, mas também pelos cineastas, que trouxeram a seus filmes estímulos e procedimentos de textos literários, como acontece no filme O livro de cabeceira, do cineasta inglês Peter Greenaway. No curso A poesia e o cinema, nossa proposta é discutir com os alunos como a linguagem do cinema está presente nas formas da poesia contemporânea, a partir da leitura e discussão de poemas de autores brasileiros como Ademir Assunção, Frederico Barbosa, Ricardo Corona e Rodrigo Garcia Lopes. Como apoio teórico às aulas, apresentaremos também textos do filósofo alemão Walter Benjamin (A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica), do cineasta soviético Sergei Eisenstein (O princípio cinematográfico e o ideograma), do cineasta inglês Peter Greenaway (Cinema: 105 anos de texto ilustrado), Jean Luc-Godard (texto publicado no Suplemento Literário de Minas Gerais) e Maria Esther Maciel (Textos à flor da tela).

CRONOGRAMA DE AULAS:

Encontro 1 | 06/07:
Aspectos da história do cinema, alguns conceitos básicos da linguagem cinematográfica (argumento, roteiro, planos, montagem etc.), tópicos do filósofo alemão Walter Benjamin a respeito do cinema e faremos um paralelo entre as técnicas da poesia e do cinema, com a leitura e discussão de textos de autores como Maiakovski e Oswald de Andrade.

Encontro 2 | 13/07:
Falaremos sobre o princípio da montagem cinematográfica, de acordo com o cineasta russo Sergei Eisenstein; faremos a comparação entre as técnicas de montagem no cinema e na poesia japonesa, em particular o tanka e o haicai. Conversaremos sobre as ideias de Fenollosa a respeito do ideograma e o pensamento do cineasta francês Jean-Luc Godard a respeito da montagem. Apresentaremos as principais figuras de linguagem utilizadas na poesia e faremos uma comparação com as técnicas do cinema. Leitura e discussão de poemas e textos em prosa e encerramento do curso.

Referências Bibliográficas:

ANDRADE, Oswald. Pau Brasil. São Paulo: Editora Globo, 2011.
________. Memórias sentimentais de João Miramar. São Paulo: Editora Globo, 2012.
ASSUNÇÃO, Ademir. Zona branca. Curitiba: Travessa dos editores, 2006.
________. Cinemitologias. Londrina: Atrito Art, 2000.
BARBOSA, Frederico. Rarefato. São Paulo: Iluminuras, 1990.
BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 2014.
CAMPOS, Haroldo. Ideograma. Lógica, Poesia, Linguagem. São Paulo: Edusp, 2000.
CORONA, Ricardo. Cinemaginário. São Paulo: Iluminuras, 1999.
MACIEL, Maria Esther, e SEDLMAYER, Sabrina (org.). Textos à flor da tela. Editora da Faculdade de Letras da UFMG, 2004.
________. O cinema enciclopédico de Peter Greenaway. São Paulo: Editora da Unimarco, 2004.
LOPES, Rodrigo Garcia. Nômada. Rio de Janeiro: Lamparina, 2004.
SCHNAIDERMAN, Boris. A poética de Maiakovski. São Paulo: Perspectiva, 1978.

NA INTERNET:
http://www.revistazunai.com/materias_especiais/cinema/index.htm

DVDs:
O cão andaluz, de Luís Buñuel e Salvador Dali
Cine-Olho, de Dziga Vertov
A greve, de Sergei Eisenstein
Outubro, de Sergei Eisenstein
O livro de cabeceira, de Peter Greenaway

Sobre o professor:

Claudio Daniel é doutor em Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo (USP). Curador de Literatura e Poesia no Centro Cultural São Paulo entre 2010 e 2014. Colaborador da revista CULT. Editor da Zunái, Revista de Poesia e Debates. Publicou os livros de poesia Sutra (1992), Yumê (1999), A sombra do leopardo (2001), Figuras Metálicas (2005), Fera Bifronte (2009), Letra Negra (2010), Cores para cegos (2012), Cadernos bestiais (2015), Esqueletos do nunca (2015), Livro de orikis (2015) e o livro de contos Romanceiro de Dona Virgo (2004). Como tradutor, publicou a antologia Jardim de camaleões, a poesia neobarroca na América Latina (2004), entre outros títulos. Em Portugal, publicou a antologia poética pessoal Escrito em Osso.

OBSERVAÇÕES:

1. Vagas confirmadas apenas com pagamento.

2. Política de devolução:

Se houver cancelamento até o dia 02/07, será cobrada multa de 10% do valor do curso. Em caso de desistência entre o dia 03 e 06/07, a multa será de 40% do valor do curso. Desistências até dia 07/06 (após a primeira aula) serão reembolsadas em 50%. Os valores serão devolvidos via depósito bancário a ser feito em conta de titularidade do participante inscrito.

Em casos excepcionais, por circunstâncias imprevistas, se um curso eventualmente for cancelado, todos os valores pagos serão integralmente restituídos.

3. Certificado de conclusão:

Os alunos devem participar no mínimo de 75% do curso para pedir o certificado de conclusão do curso, que será emitido em até 5 dias úteis após o término do mesmo.

CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn