O cinema-poesia de Joaquim Pedro de Andrade

Date: 6 de outubro de 2017
Time: 19:00  to  21:00

“O Padre a a Moça” (1965)

Passeio pela obra do genial cineasta brasileiro Joaquim Pedro de Andrade, com exibição de trechos e falas sobre três filmes que têm Minas Gerais como pano de fundo: O Padre e a Moça (1965), Os Inconfidentes (1972) e O Aleijadinho (1978). Vamos inseri-los na discussão sobre cinema-poesia, cores, luzes e sentimentos, aspectos da memória brasileira no contexto geral do Cinema Novo e de outras manifestações político-culturais do período.

com Mei Oliveira, doutora em teoria literária e literatura comparada (USP) e pós-doutoranda em cinema (Unicamp). É autora dos livros O cinema-poesia de Joaquim Pedro de Andrade: passos da paixão mineira (Appris Editora, 2016) e Liturgia da pedra: negro amor de rendas brancas – comparações entre o poema ‘O padre, a moça’, de Carlos Drummond de Andrade, e o filme ‘O padre e a moça’, de Joaquim Pedro de Andrade (Alameda Editorial, 2017, no prelo). Atua no ensino das literaturas brasileira e portuguesa há 16 anos, é tradutora e pesquisadora em história do cinema brasileiro.

***
JOAQUIM PEDRO DE ANDRADE (1932 – 1988)

Um dos mais importantes cineastas brasileiros, diretor de filmes como O Padre e a Moça (1965) e Macunaíma (1969). Cresceu entre Rio de Janeiro e Minas Gerais no meio intelectual de seu pai, Rodrigo Melo Franco de Andrade, co-fundador do IPHAN junto a Mário de Andrade. Possui obra pautada pela discussão do país, retratando de modo original símbolos nacionais como Garrincha, Aleijadinho e Macunaíma, e dedicando-se a compreender nossos mitos e contradições históricas.

Confirme presença no evento: https://tinyurl.com/y79koleg

CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn